Flávio Cavalcante

O espectador merece todo nosso respeito, porque sem ele, não há quem possa nos aplaudir

Textos

FALTA DE AMOR ENTRE HOMENS SEM VONTADE
Crônica de:
Flávio Cavalcante

 
     Momento de luto no país, momento de reflexão sobre as atitudes de calhordas que fazem festa com desgraça alheia esquecendo que a palavra respeito não é sinônimo de favor é obrigação se quiser a reciprocidade. A cada dia que passa eu fico cada vez mais estupefato com a reação de seres que se dizem humanos. A falta de amor entre homens prova que não há a mínima vontade de uma melhora de si próprio. Encontramos isto no dia a dia nos meios virtuais, pois é lá, que vemos de fato quem é quem através das suas atitudes.
 
     Opiniões bombásticas vindas de pessoas até que se dizem cultas, um balde de porcarias saídas de línguas ferinas movidas por fanatismo de um partido político, religião ou sei lá o que. Ao ligar o computador recebi a triste notícia do falecimento da esposa do ex-presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva, dona Marisa Letícia. Eu pergunto ao caro leitor, o que tem a vir tanta revolta de alguns com a situação caótica que estamos vivendo no país?
 
     Foi o que vi em opiniões na página de uma amiga; julgamentos de uma indelicadeza total; pessoas até vibrando a morte da senhora dama como se ela fosse a total culpada das mazelas que o país está vivendo atualmente. Pessoas que não sei como conseguem pôr a cabeça no travesseiro e dormir com tranquilidade depois de falar tanta asneira de tão baixo calão.
 
     É fácil atirar pedras no telhado dos outros quando o nosso ainda não está quebrado. É fácil achar que os fatos ruins acontecem com o vizinho e não conosco. Não param um minuto na mísera vida que estas pessoas insensíveis carregam para elucubrar que a tempestade a qualquer momento pode mudar de direção e desabar em cima das nossas cabeças. O sapato não dói no pé da gente quando a pedra está no sapato alheio.
 
     Lamentavelmente é numa situação como esta que conhecemos cada índole e aí que mora o medo da capacidade maléfica que o ser humano carrega; pessoas como tais, que guardam o ódio fácil, motivadas por uma mídia insana que visa apenas o lucro próprio. Em algum momento, não aguentando vir tanto disparate, tive que interceder tentando dar um basta no bombardeio, mostrando o erro e a falta de respeito. O retrucar veio cegamente atirando bombas sem querer admitir o erro e a amiga muito consciente o expulsou da sua página, o que foi digno de aplauso a sua atitude.
 
     Eu fico cada vez mais convencido no poder da televisão de absolver ou crucificar quem ela achar que dever ser punido ou enaltecido, embutindo nas cabeças doentias e fracas opiniões que não são próprias. Costumo chamar esse tipo de gente de “Maria vai com as outras”. Estas, que são dignas de pena, provam por A e mais B que tem muito ainda que evoluir e aprender o significado da palavra ser humano e principalmente deixar o ódio de lado e abraçar o amor como fonte principal para a evolução de qualquer um ser, fazendo com o próximo o que gostaríamos que fizessem conosco, aí sim, teremos um mundo com mais consciência e fatalmente estas pessoas insanas não irão existir para ejetarem dejetos na frente do ventilador sem a mínima responsabilidade, deixando bem claro que o que falta nesse tipo de gente, é muita falta de vergonha na cara e principalmente respeito.
 
 
Flávio Cavalcante
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 
Flavio Cavalcante
Enviado por Flavio Cavalcante em 02/02/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras