Flávio Cavalcante

O espectador merece todo nosso respeito, porque sem ele, não há quem possa nos aplaudir

Textos



“EU SOU”
Poema
De
Flávio Cavalcante.

 
 
 
Eu sou um pó ainda em névoa
Acho que vim de uma galáxia
De uma poeira de estrelas
Sou um sol ainda enternecido
Um vulcão ainda mórbido
Uma chama apagada
Um grão de areia perdido no deserto
Eu sou uma árvore sem fruto
Sou um começo e não um fim
Um imenso mundo duvidoso
Mas sou uma semente
Uma centelha que a qualquer
Momento pode acender
E aí aquecer,
O coração ainda embrutecido
Pronto pra germinar e amar
Abrir uma porta, uma janela
Descampada para uma longa estrada
Aberta para o amor

 
Flavio Cavalcante
Enviado por Flavio Cavalcante em 21/01/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras