Flávio Cavalcante

O espectador merece todo nosso respeito, porque sem ele, não há quem possa nos aplaudir

Textos


MÃOS DADAS COM A MORTE
Poema de:
Flávio Cavalcante

 
I
Por um momento eu apaguei pra vida
Por um instante minha alma viajou
Tive que chorar com a minha partida
Nas asas leves que o vento soprou

II
Deixei minhas propostas e clarezas
Apaguei da vida minhas próprias velas
Cavei minha sepultura das incertezas
Sem querer ter flores e fitas amarelas

III
Entre campas estavas tão bela e triste
Com a forma que a vida nos derrota
Momento de teste pra ver quem resisti
As pagas de um preço que traz a revolta

IV
Momentos de toda uma vida de sonho
Como uma página arrancada do caderno
Prova que tudo que passa na vida é medonho
E o ruim é arrastado pro inferno

V
Até a saudade que insistiu em maltratar
Não respeitou a dor de quem amei em outrora
Fez questão de presente sempre estar
Com aqueles na hora que fui embora

VI
Logo agora que a vida estava começando
E quando eu pensei que ia curtir a sorte
Minhas forças aos poucos foram esgotando
Apaguei pra vida de mãos dadas com a morte

 
Flavio Cavalcante
Enviado por Flavio Cavalcante em 06/02/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras