Flávio Cavalcante

O espectador merece todo nosso respeito, porque sem ele, não há quem possa nos aplaudir

Textos

VERBENAS
Poema de:
Flávio Cavalcante

I
As verbenas que deixaram de balouçar
Ficaram sem vida e quase sem cor
enfeitam hoje o jardim do lado de lá
Alegres dançantes proclamam o amor
II
De cores firmes vigorosas e vigentes
Adormecem na noite escura e sombria
As flores que marcham nos dias mais quentes
Espantam a tristeza e trazem a alegria
III
Papoulas, cravos e as lindas violetas
Contidas nos jardins frontais às janelas
Ao som do açoite do vento em operetas
Envoltos a tulipas e rosas amarelas
IV
As flores do Jardim colorem a vida
Benevolência parte das verbenas
Assim como avenca e a Margarida
Tulipas brancas em diluvio de falenas
V
Surgem as verbenas traduzindo emoção
Cravadas como profundo punhal
Fincadas no fundo do meu coração
Fazendo da bela vida um eterno arsenal
Flavio Cavalcante
Enviado por Flavio Cavalcante em 01/03/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras