Flávio Cavalcante

O espectador merece todo nosso respeito, porque sem ele, não há quem possa nos aplaudir

Textos

PROFUNDA RANHURA
Poema de:
Flávio Cavalcante
 
I
A ficha parece não cair nos dissabores
O tempo passa imperceptivelmente
Mesmo com as dores cruéis e rumores
Chagas abertas cicatrizam suavemente


II
O que brota da dor é uma linda saudade
Em outrora fez da cerne uma ferida
Putrefata como toda cruel maldade
Apostema em chaga aberta e fedida


III
Muitas perdas são irremediavelmente
Viver o agora pensando no amanhã
Amenizam as dores terrivelmente
Faz moradia lado a lado como irmã


IV
Tirar proveito mesmo dos dissabores
É um ato de aceitação e de nobreza
Leva o espírito para a fonte dos amores
Levando na bagagem toda uma riqueza


V
Tristeza passa a ser coisa de outrora
Depois dessa colheita de tanta fartura
Percebe que valeu toda a demora
Pois lacrou de vez a profunda ranhura
 
 
Flavio Cavalcante
Enviado por Flavio Cavalcante em 16/07/2018
Alterado em 17/07/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras