Flávio Cavalcante

O espectador merece todo nosso respeito, porque sem ele, não há quem possa nos aplaudir

Textos

SUA ASSINATURA, SUA SENTENÇA
Poema de:
Flávio Cavalcante

I
A caneta que ela assinou
A verba para essa aberração
A cultura no país se expirou
Escancarando a porta da exoneração
II
Expurgada do cargo que ocupava
O povo clamou pela justiça
Voltou pra carroça que ela empurrava
Deixou o filé por um prato de carniça
III
Deram a caneta para ela assinar

A exoneração definitiva do cargo
Uma lição para aprender a respeitar
Repondo o doce e afastando o amargo
IV
Ela saiu e deixou a gatunagem
Na novela o capítulo continua
Disseram que era o foco da sacanagem
A verdade escondida nua e crua
V
As porcarias continuam por lá
O povo continua demente
Implorando para um dia votar
No preso Lula  para ser o presidente
 
 
Flavio Cavalcante
Enviado por Flavio Cavalcante em 06/08/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras