Flávio Cavalcante

O espectador merece todo nosso respeito, porque sem ele, não há quem possa nos aplaudir

Textos


 
CALMARIA
Poema de:
Flávio Cavalcante

I
As ondas estão em calmaria
Meus rastros ainda estão na areia
Pensei que aos poucos sumiria
Na noite que se finda e o dia clareia
II
Suave e calma está a onda do mar
Presente na lua nova e na noite fria
Até o horizonte propício para amar
Representa bem toda essa calmaria
III
Busco um momento próprio e calmo
Tiro da palavra amiga o bom Conselho
Como a mansidão da voz em salmo
Pondo nas veias o que era vermelho
IV
A paciência traduz o que há de calmaria
Mostra o saber ouvir antes de falar
Escolhe o melhor vernáculo na livraria
O sentido que a vida mandou estudar
V
O que se escreve nas páginas é calmaria
Repetindo nas linhas e no mesmo recorte
A palavra que a mala da vida traria
Aberta para o amor e não para a morte
 
 
Flavio Cavalcante
Enviado por Flavio Cavalcante em 06/12/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras