Flávio Cavalcante

O espectador merece todo nosso respeito, porque sem ele, não há quem possa nos aplaudir

Textos


SOU UM BARCO À DERIVA
Poema:
Flávio Cavalcante
 
 I
Estou à deriva num barco sem rumo
O mar que provoca medo está bravejante
Forte vendaval me jogando sem prumo
Sem Leme, sem vela, em onda dançante
II
O medo que atormenta e me apavora
Desafio nas mãos da tal infelicidade
Os passos que a estrada muito devora
Entre o sonho, o pesadelo e a realidade
III
Eu sou da maré do vento e tempestade
Cambaleando nas tormentas do destino
Expulsando do meu eu qualquer vaidade
Semeando apenas o coração de menino
IV
A busca de uma constância e repleta
Das incertezas benévolas e vis
Querendo desvendar a fonte seleta
Dos brancos espumantes e as cores anis
V
Confusão de mentes mais que confusas
O labirinto do incerto e não sabido
Buscando Arco-íris nas áreas obtusas
Lugar que eu nunca deveria ter saído

 
 
 
Flavio Cavalcante
Enviado por Flavio Cavalcante em 03/06/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras