Flávio Cavalcante

O espectador merece todo nosso respeito, porque sem ele, não há quem possa nos aplaudir

Textos


 
 
 
A LÁGRIMA DO PRANTO
Poema de:
Flávio Cavalcante
 
I
O peito ainda está em pranto
As noites doces têm sempre amargor
Nem os pássaros escuto mais seu canto
Até a vida já não tem o mesmo valor
II
As flores não são belas como antes
O temor parece meu maior companheiro
Vejo a lápide como a lua cheia de diamantes
Nos sonhos, correntezas e à deriva um veleiro
III
Sementes germinadas já doentes e putrefatas
Caminho de fogo, acúleo e muito pedregulho
No horizonte a beleza sem belezas sensatas
A poça da lama que eu bebo e mergulho
IV
Confusa pauta sem nenhuma descrição
O sonho que traz a esta realidade
Um barco ancorado no cais do coração
Esperando que desça a profunda saudade
V
A lágrima é como a ferida que arde de dor
Desde aquele momento que você partiu
Andei até esquecendo o que é ter amor
E a minha alma jorra o pranto e jamais sorriu
 
(Poema dedicado aos meus saudosos pais)
 

 
Flavio Cavalcante
Enviado por Flavio Cavalcante em 23/06/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras